Rua Comandante Gika, Nº. 225
Bairro Alvalade, Distrito da Maianga
Município de Luanda — Luanda
Rep. de Angola

Oftalmologia


Na Clínica Girassol, existe um enfoque especial no paciente oftalmológico, que encontra uma resposta integrada no rastreio, prevenção e cuidado integral da visão.

Um conjunto alargado de profissionais aplica as metodologias mais avançadas para efetuar o diagnóstico e tratamento das doenças oculares.


Exame do fundo do olho ou fundoscopia

A visão é fundamental para o dia a dia, mas muitos de nós não cuidamos dela como deveria. É importante cuidar dos olhos ao longo da vida para prevenir doenças e até mesmo a cegueira. O fundo do olho reflete não apenas a presença de doenças oculares, como o glaucoma, degeneração macular relacionada ao envelhecimento, mas também outros males como diabetes, hieprtensão arterial, hipertensão e hemorragia intracranianas, distúrbios da tireóide e até câncer. Por isso é recomendável que faça o exame ocular completo que inclui a avaliação do fundo do olho, pelo menos uma vez por ano. Quanto mais cedo for detectado o glaucoma, mais chances de impedir a perda do nervo óptico, ou seja a cegueira total ou parcial.


Para que serve

É o exame de fundo de olho, ou oftalmoscopia, que avalia as condições do humor vítreo (líquido do olho), da retina, dos vasos sangüíneos (veias e artérias retineanas) e do nervo óptico (responsável por levar os estímulos visuais, já convertidos em sinais elétricos, ao cérebro).


Quem deve fazer

De acordo com os especialistas, todo mundo. O exame pode ser feito em pessoas de qualquer idade. Bebês, prematuros ou não, cujas mães sofreram infecções durante a gestação devem ser submetidos ao exame, que pode, além disso, revelar a presença de tumores e de doenças locais ou sistêmicas. Para recém-nascidos o teste é realizado no próprio berçário ou na sala de parto. A oftalmoscopia, neste caso, pode indicar a presença de retinoblastoma (tumor que atinge o órgão), catarata congênita (ou seja, de nascimento), retinopatia da prematuridade (doença degenerativa que pode levar à cegueira), além de toxoplasmose (infecção causada por um parasita, cujo hospedeiro é o gato), rubéola, citomegalovírus (um tipo de herpes) e sífilis.

Em adultos, o exame de fundo de olho é importante para o diagnóstico de doenças locais e para a detecção precoce de enfermidades sistêmicas (hipertensão arterial, diabetes e patologias neurológicas, entre outras). No envelhecimento, o exame pode detectar o surgimento de drusas (depósitos de cristais brancos ou levemente amarelados) na retina, que podem levar à cegueira, e degenerações maculares próprias da idade.

Portadores de hipertensão, diabetes e glaucoma, especialmente, devem ficar atentos à saúde de seus olhos.


Frequência

Quem não tem problemas oculares e indivíduos com doenças que predispõem a males na região dos olhos (como diabetes, leucemia, câncer, distúrbios da tireóide, entre outros) precisam fazer o exame anualmente, especialmente se já passaram dos 40 anos. Mas nada impede que o oftalmologista estipule outra periodicidade, levando em conta o histórico do paciente.


Como é feito

Apesar do nome complicado, a oftalmoscopia é de fácil aplicação e não requer muito tempo para ser realizado. Além do oftalmologista, outros especialistas também podem realizá-lo, como o clínico- geral, o endocrinologista e o neurologista. Embora eles tenham o intuito de avaliar outros aspectos da saúde do paciente, como os relacionados à hipertensão, ao diabetes e também à pressão intracraniana.

Com a ajuda de um aparelho, que contém uma lente especial, capaz de aumentar a imagem diversas vezes, o médico observa as condições do humor vítreo (líquido do olho). Existem dois tipos de oftalmoscopia: a direta e a indireta. A primeira proporciona uma maior ampliação da imagem. A segunda, mesmo tendo uma ampliação menor, permite a visualização da periferia da retina.

Nem sempre a dilatação da vista é necessária no exame de fundo de olho. A análise da porção posterior da retina (câmara posterior) de pacientes sem problemas oculares pode ser feita sem a dilatação.

O médico pode pingar gotas de colírio (sem dilatar a visão) nos olhos do paciente para que ele possa ver melhor as condições do globo ocular.